quarta-feira, 6 de abril de 2016

Projeto: Soldadinhos de chumbo procuram Ali-babá e os 40 ladrões.

Boa noite, leitores:

Em homenagem ao dia Mundial do livro Infanto - juvenil divido com vocês esse projeto que achei na net em minhas pesquisas notúrnicas.


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


APRESENTAÇÃO

Considerando-se que em 2005 comemorava-se o bicentenário de Hans Christien Andersen, criei um projeto baseado em contos de fadas para a turma de ciclo inicial com atividades que visassem favorecer o processo de alfabetização. Conversei com as crianças sobre as histórias que conheciam apresentei-lhes outras, enfim, exploramos o assunto ao máximo e o resultado foi muito positivo.

OBJETIVOS

*Apresentar aos alunos um pouco da história de Andersen,
*Levá-los a refletir sobre os componentes que são comuns à maioria dos contos de fadas,
*Provocar a curiosidade e conseqüentemente, o gosto pela leitura,
*Despertar a criatividade e imaginação,
*Incentivar a produção de textos.

DESENVOLVIMENTO

Iniciei com uma conversa informal sobre as histórias infantis. Perguntei aos alunos quais eram as suas histórias preferidas, quais eram conhecidas, como ficaram conhecendo...
Em seguida falei-lhes sobre um dos autores de contos de fadas, Andersen, e que estávamos comemorando duzentos anos de seu nascimento. Disse-lhes que apesar do tempo passado, as histórias continuam encantando crianças até hoje. Separei umas histórias de Andersen, mas não me prendi apenas a elas. Contei outras também. E assim, a cada dia contava uma história diferente. A cada história apresentada, analisávamos o título, as letras iniciais de cada palavra que o compunha e contávamos as letras.
A primeira delas foi “O Soldadinho de Chumbo”. Contei a história e os alunos refletiram e conversaram sobre ela. Como atividade complementar, fizeram corações de cola colorida onde prenderam flores de papel crepom simbolizando o Soldadinho e a Bailarina no final da história.
Em outra ocasião contei-lhes a história de “Branca de Neve e os Sete Anões”.Estávamos ainda no primeiro bimestre do ano letivo. Entreguei-lhes figuras com cenas da história para que colocassem na ordem certa da seqüência de fatos narrados, colorissem e depois copiassem as frases colocadas no quadro referente a cada figura. Depois montamos livrinhos individuais.
Em outro dia contei-lhes a história de “Chapeuzinho Vermelho” e após conversarmos sobre o aspecto moral da história, sugeri a eles que pensassem em um final diferente para o mesmo conto. Eles criaram coletivamente um novo final. Cada aluno ia dando suas idéias e eu anotava tudo no quadro. Propus também outra atividade: uma dobradura onde fizeram o chapéu da personagem e desenharam o rosto, o corpo e o cenário, após colarem o chapéu em uma folha de papel.
No dia seguinte contei-lhes a história da Bela Adormecida. Coloquei também a cantiga de roda “A linda Rosa Juvenil” para que ouvissem e fizessem um paralelo entre a história e a letra da música. Também aprenderam a brincadeira de roda no pátio da escola.
A história seguinte foi a do “Patinho Feio”. Aproveitei para que estudassem a palavra “pato”. Fizeram ilustrações para a história.
Depois li a história do “Pinóquio”. Fizemos muitas reflexões sobre o comportamento do boneco de madeira, os perigos a que se expunha e resolvemos fazer uma releitura da história. Foi uma produção coletiva onde cada aluno contribuía com sua ideia.
Também li “A Pequena Sereia” e pedi que fizessem dobraduras de peixinhos para organizarmos um cartaz.
Apresentei-lhes também “A roupa Nova do Rei”. A partir daí, propus que criassem o seu próprio conto de fadas coletivamente. Fizemos um estudo sobre os componentes como, princesas, bruxas, reis, o bem vencendo o mal, madrastas, etc.Combinamos democraticamente o que entraria e o que não entraria em nossa história e só aí começaram a criar o enredo. Decidiram que a madrasta não seria má. Curioso também é que não quiseram colocar nenhuma bruxa como vilã, e sim ladrões. Acho que foram influenciados pela atualidade.
Fiz essas oficinas de criação de texto durante uma semana e ao mesmo tempo, em momentos diferentes, logicamente, dei continuidade à prática de contar histórias diariamente. Contei a da “Cinderela”, do “João e o pé de feijão”, “Polegarzinha”.
Quando concluíram a história, parti para as oficinas de ilustração do livro da turma. As crianças fizeram vários desenhos, coloriram e selecionamos alguns. Deram ao conto de fadas o nome de "A Princesa Rosa e os ladrões do reino".
Durante todo o desenvolvimento do projeto, os trabalhos iam sendo expostos em murais na escola.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

O pobre e o rico

Em tempos muito remotos, quando o bom Deus ainda andava pela terra entre os homens, certa tarde, após ter caminhado muito, sentiu-se can...