quarta-feira, 8 de julho de 2015

A Fada que tinha ideias

Clara Luz era uma fada, de seus dez anos de idade, mais ou menos, que morava lá no céu com a senhora fada sua mãe. Viveriam muito bem se não fosse uma coisa: Clara Luz não queria aprender a fazer mágicas pelo Livro das Fadas. Queria inventar as suas próprias mágicas.- Mas minha filha - dizia a Fada Mãe - todas as fadas sempre aprenderam por esse livro. Por que só você não quer aprender?- Não é preguiça, não, mamãe. É que não gosto do mundo parado.- Mundo parado?- É. Quando alguém inventa alguma coisa, o mundo anda. Quando ninguém inventa nada, o mundo fica parado. Nunca reparou?- Não...- Pois repare só.A Fada Mãe ia cuidar do seu serviço, muito preocupada. Ela morria de medo do dia em que a Rainha das Fadas descobrisse que Clara Luz nunca saíra da Lição I, do Livro.A Rainha era uma velha fada muito rabugenta. .Felizmente vivia num palácio, do outro lado do céu. Clara Luz e a mãe moravam numa rua toda feita de estrelas, chamada Via-Láctea. A casinha delas era de prata e tinha um jardim todo de flores prateadas.- Minha filha, faça uma forcinha, passe ao menos para a Lição II! - pedia a Fada Mãe, aflita.- Não vale a pena, mamãe. A Lição I já é tão enjoada, que a II tem que ser duas vezes pior.- Mas enjoada por quê?- Ensina a fabricar tapete mágico.- Pois então? Já pensou que maravilha saber fazer um tapete mágico?- Não acho, não. Tudo quanto é fada só pensa em tapete mágico. Ninguém tem uma idéia nova!Clara Luz estava sempre fazendo experiências com sua varinha mágica. Já de manhã cedo, reparava no bule de prata, olhava para ele e tinha uma ideia: − Tem bico. Dá um bom passarinho. transformava o bule em passarinho, mas, o passarinho saía com três asas, duas novas e a do bule que tinha sobrado. A Fada Mãe entrava na sala e levava um susto danado. − Que bicho esquisito é esse? − É o bule, mamãe, que eu transformei em passarinho.− Clara Luz! E agora? Onde vou coar o pó da meia noite para fazer o nosso café? E que ideia é essa de fazer passarinho com três asas? Ao menos ponha só duas asas nele! − Mas mamãe, ele gosta de ter três asas! O passarinho furioso entrava na conversa: − Não gosto não senhora! Faça o favor de me consertar já! Clara Luz não acertava e quem acabava consertando era a Fada Mãe e o passarinho agradecia muito: − Se não fosse a senhora eu não sei como seria! Essa sua filha é muito intrometida. E saía pela janela resmungando ainda. − Veja só inventar que eu gosto de ter três asas! Mas essas eram as ideias menores de Clara Luz. Havia outras bem maiores.



Fernanda Lopes de Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

O pobre e o rico

Em tempos muito remotos, quando o bom Deus ainda andava pela terra entre os homens, certa tarde, após ter caminhado muito, sentiu-se can...