terça-feira, 23 de setembro de 2014

Resumo da obra de Júlio Verne - 20 mil léguas submarinas

Vinte mil léguas submarinas

Há mais de um século, nenhum avião cortava o céu, e os navios a vapor e a novidade. Foi então que apareceu no mar um “monstro”, terror dos marinheiros. Para caçá-lo foi preparada a fragata Abraão Lincoln.
Junto com a tripulação viajava o Professor Arronax e seu assistente Conseil. Os dois fizeram amizade com o arpoador de baleias Ned Land. Um dia os três estavam no convés, quando viram ao longe o “monstro”.
A tripulação preparou-se para combater o “monstro”. Mas não houve combate. Uma tempestade afundou o navio. Alguns homens jogaram-se ao mar, tentando salvar-se. O Professor e Conseil nadaram perto um do outro.
Pouco depois o Professor e Conseil foram recolhidos em um bote por Ned Land. Navegaram em direção a uma pequena ilha. Era a sua única esperança de salvação em meio ao mar que se estendia em todas as direções. Ao alcançar a ilha tiveram uma surpresa. Não era uma ilha. Tratava-se de uma construção feita de chapas de aço. Os três compreenderam que aquele era o “monstro”. Como não tinham escolha, resolveram descer ali.
Os três homens desceram para o interior do submarino. Caminharam até uma sala arrumada com luxo. Lá uma foca avançou para eles como fazem os cachorros. O dono mandou-a ficar quieta e falou para os recém chegados:
_ Podem entrar, apenas aviso os visitantes que a bordo do Nautilus não se aceitam hóspedes. Quem entra aqui fica pra sempre.
O capitão Nemo, comandante do Nautilus, convidou os náufragos para almoçar. O Professor, Conseil e Ned acharam a comida ótima. Nemo contou que tudo vinha do mar.
Depois do almoço o Capitão Nemo levou-os para ver de que modo eram recolhidos os ingredientes usados como alimento. Os homens vestiam roupas especiais e respiravam por tubos de oxigênio.
Conseil viu um navio pirata encalhado no fundo do oceano e, ao explorá-lo, encontrou um tesouro. De repente apareceu uma enorme aranha negra. Ned, que se havia afastado pensando em fugir, voltou ao ver o amigo em perigo e arpoou a aranha.
O capitão Nemo descobriu que Ned pretendia fugir. Ao voltarem para o Nautilus, fechou os dois rapazes na cabina. O Professor protestou, mas o Capitão respondeu:
_ Quando entrei no Nautilus, eu avisei que daqui ninguém sai.
Na cabine Ned se pôs a estudar alguns mapas que encontrara. Tinha um plano de pedir ajuda enviando mensagens dentro de garrafas. Conseil divertia-se brincando com a foca.
Quando o Nautilus veio à superfície, os dois rapazes aproveitaram para jogar as garrafas ao mar. Nas mensagens contavam que eram prisioneiros do “monstro”.
De repente começou uma violenta tempestade. O submarino mergulhou rápido para fugir ao mau tempo. Nunca tinha descido tanto. Pelas janelas, o Professor, Ned e Conseil viam peixes de formas estranhas e desconhecidas.
Horrorizados, todos viram, pela janela, o olho de um polvo gigante. O Nautilus inteiro foi sacudido por um violento tremor. O Capitão Nemo ordenou:
_ Subir para a superfície! Fomos apanhados por um polvo gigante. Só poderemos combatê-lo lá em cima. No fundo do mar ele é invencível.
O Nautilus subiu usando toda a força de seus motores. O polvo continuava agarrado ao submarino.
Quando o submarino chegou acima da linha d’água, o Capitão Nemo, alguns marinheiros e Ned resolveram dar combate ao polvo. O Capitão avançou corajosamente com um arpão. Durante o combate foi apanhado. O polvo gigante imobilizou o Capitão com um dos seus sustentáculos. Parecia impossível que Nemo conseguisse escapar.
Nesse instante, Ned jogou seu arpão contra o polvo. O animal ferido recuou. Tudo devia ser feito muito depressa. E Ned fez: mergulhou e trouxe o Capitão de volta, são e salvo. O Capitão agradecido por Ned tê-lo salvo, resolveu deixar os três viajantes voltarem para casa. Como lembrança de a foca de presente a Conseil.

Num barco a vela pertencente ao Nautilus foi que o Professor, Conseil e Ned afastaram-se do submarino. O “monstro” mergulhou. Era a sua despedida. Mais tarde o barquinho foi encontrado por um navio e os três náufragos recolhidos. Desse jeito, puderam voltar para casa. Quanto às garrafas com mensagens, parece que até agora ninguém encontrou nenhuma delas.

  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Como se repartem alegrias e sofrimentos

Houve, uma vez, um alfaiate insuportável, que vivia a brigar com a mulher. Esta era uma criatura boa, piedosa e muito trabalhadeira, mas...